Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Preparação para Oscar – Poucas e Boas

Chegamos à parte final da preparação para o Oscar! Enquanto fazemos a contagem regressiva, vamos a pequenas e curiosas notas:
Vale o Peso em Ouro:
A estatueta pesa quase três quilos, é maciça e tem quase 40 centímetros de altura (cuidado!). Logo, seria útil para atacar um intruso. Até agora, no entanto, ninguém foi ferido por um golpe com um Oscar.
Origem do nome ‘Oscar’:
Para ser honesta, não há resposta definitiva. Algumas razões apontadas ao longo dos anos incluem Bette Davis comentando que a estatueta parecia com seu marido;  a executiva da Academia Margaret Herrick pode tê-la nomeado em homenagem ao tio; o chefão da MGM Louis B. Mayer também é um candidato e dizem que Walt Disney chamou-a de  Oscar in 1932. Esse tornou-se o nome oficial em 1939.

 “Ganhei!” (Não, você perdeu):
Em 1934, Will Rogers disse, “Venha receber, Frank!” O diretor Frank Capra subiu ao pódio e só então percebeu que o diretor Frank Lloyd tinha ganhado. Sem se sentir mal, Capra ganhou como Melhor Diretor no ano seguinte pelo filme Aconteceu Naquela Noite. Há uma história parecida com Humphrey Bogart: estava tão confiante com sua vitória em Casablanca que se levantou sem ouvir o nome do vencedor. Quando viu que outro estava subindo ao pódio, a saída foi aplaudir de pé.

Um Mito do Oscar:
Houve um boato maldoso de que Jack Palance disse o nome errado quando Marisa Tomei ganhou seu Oscar como Melhor Atriz Coadjuvante em 1993 por Meu Primo Vinny. Um crítico de cinema maldoso espalhou o boato.


Um Oscar que ganhou um Oscar:
Oscar Hammerstein II (melhor canção, 1941, 1945)

Primeiro Filme a Cores a ganhar como Melhor Filme:
E o Vento Levou... (1939)

Último Filme Preto e Branco a ganhar como Melhor Filme:
A Lista de Schindler(1993)

É uma Tradição Familiar:
Três gerações dos Coppolas e dos Hustons conquistaram Oscars. Algumas tradições familiares são extravagantes!

Dirigindo-se para a Glória:
Laurence Olivier em Hamlet em 1948 e Roberto Benigni em A Vida é Bela em 1997.

Sempre Quase Lá:
Indicados cinco vezes, nunca ganharam: Alfred Hitchcock, King Vidor, Robert Altman e Clarence Brown.

Primeira Pessoa a Dizer “Não, Obrigado”:
Dudley Nichols recusou seu prêmio de Melhor Roteiro Adaptado por O Delator em 1935.

Pai, Mãe e filha Ganham:
Vincente Minnelli (Melhor Diretor, 1959); Judy Garland (Oscar Honorário,1940); Liza Minnelli (Melhor Atriz,1973).

Para quem domina bem o inglês e quer mais curiosidades o site oficial da Academia fez uma super retrospectiva desses 83 anos de Oscar. Ele ainda permitiu a interatividade através de perguntas diárias sobre cinema. A minha resposta foi escolhida como a melhor e está publicada na página da 28ª cerimônia, com meu nome do twitter (@startpreading)
Agora chegou a hora do tapete vermelho! Boa premiação a todos!
Lê ^_^

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Preparação para o Oscar – Os maiorais

Bom dia, leitores! Venho dar continuidade aos posts pré-Oscar. Hoje é dia de destacar grandes lendas do cinema: atores, diretores e países que ganharam o maior número de prêmios da Academia.

Mais prêmios de Filme de Língua Estrangeira:
A honra vai para a Itália, que ao longo dos anos ficou com 10 prêmios de 27 indicações (o que você esperava de um país com Fellini e De Sica?). A França (Truffaut, Resnais, Nouvelle Vague...) vem logo atrás com 9 Oscars e 35 indicações.

Filmes que ganharam mais prêmios:
O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, Titanic e Ben-Hur conseguiram 11 Oscars cada. Em seguida vem Amor, Sublime Amor (West Side Story), ganhador de 10 Oscars.

Atriz com Mais Oscars:
A lendária e maravilhosa Katharine Hepburn foi uma recordista do Oscar. Em sua longa e ótima carreira, ela ficou com o Oscar de Melhor Atriz incríveis quatro vezes em 1932, 1967, 1968 & 1981. Meryl Streep está se aproximando  com 16 indicações (Melhor Atriz e Melhor atriz Coadjuvante) e duas vitórias.

Diretor com Mais Oscars:
Vai para a lenda John Ford, que conseguiu quatro vitórias em sua longa carreira.

Mais Oscars de Figurino:
A famosa Edith Head ganhou oito. Orson Welles certa vez disse: “Edith Head gives good costume”(não é um bom trocadilho se for traduzido...).

Atores que ganharam um Oscar mais de uma vez:
Spencer Tracy, Gary Cooper,Marlon Brando, Jack Nicholson, Fredric March, Dustin Hoffman e Tom Hanks ganharam dois Oscars cada. Jack Nicholson foi indicado incríveis12 vezes, ganhando três .

O homem com mais Oscars:
Ele pode ter sido um maluco antissemita, mas o Titio Walt Disney não fazia nada errado aos olhos da Academia. Ele ganhou 26 Oscars durante sua vida…de 64 indicações. Nada mal para um cara que não desenhava muito bem.

Levando tudo:
Apenas três filmes ganharam os cinco prêmios principais de Melhores Filme, Diretor, Ator, Atriz e Roteiro: Aconteceu Naquela Noite em 1935, Um Estranho no Ninho em 1976 e O Silêncio dos Inocentes em 1992.

Levando tudo 2:
O que há com o número 3? De novo, apenas três filmes ganharam em todas as categorias em que foram indicados: Gigi em 1959 e O Último Imperador em 1988, ambos com nove prêmios, e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, que ganhou 11.

Nos próximos dias, a última (e mais curiosa) parte!
Abraços, Lê ^_^
P.S.: Caramba! Nenhum comentário no último post? Fiquei triste! ;(

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Um comercial curioso

Boa tarde, leitores! Interrompe brevemente a série de preparação para o Oscar para mostrar algo interessante que encontrei outro dia na internet: um comercial da Volkswagen estrelando dois dos meus astros favoritos: Gene Kelly e Donald O'Connor!


Embora fique claro que trata-se de uma montagem, mesmo  para os leigos que não conhecem os dois dançarinos, achei uma boa iniciativa de trazer os clássicos para a nova geração!
O que vocês me dizem?
Abraços cinematográficos,
Lê ^_^

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Preparação para o Oscar- Jovens & Senhores

Boa tarde, fiéis leitores! Em mais um post de contagem regressiva para a maior festa da indústria do entretenimento, vemos que nunca é cedo ou tarde demais para concorrer ao Oscar. Que o diga a jovem (mais jovem que eu) Hailee Steinfeld, de 14 anos, que concorre este ano como Melhor Atriz Coadjuvante por Bravura Indômita. Vamos às curiosidades!

Mais jovens ganhadores:
• A pessoa mais jovem a ganhar um Oscar foi Tatum O’Neal, que tinha 10 anos quando ganhou como Melhor Atriz Coadjuvante por “Lua de Papel” em 1974. Depois disso ela saiu de cena.
• A mais jovem pessoa a receber um Oscar de qualquer tipo foi Shirley Temple, aos 6 anos de idade em 1935. A Academia deu a ela um mini Oscar Honorário por ser uma boa garota (ih! Eu já iria perder nessa!) e entreter todos cantando The Good Ship Lollipop.
• A neozelandesa Anna Paquin ganhou como Melhor Atriz Coadjuvante em seu filme de estréia, O Piano. Ela tinha 11 anos. Hoje ela interpreta uma vampira (que novidade!) na série True Blood. .
• O mais jovem ganhador como Melhor Ator: Adrien Brody por O Pianista (aos 29 anos).

Os mais velhos vencedores:
• O comediante George Burns ganhou um Oscar na categoria de Melhor Ator Coadjuvante por The Sunshine Boys aos 80 anos.
• Em 1990, Jessica Tandy ganhou um Oscar de Melhor Atriz aos 81 por Conduzindo Miss Daisy.
• A mais velha pessoa a ganhar como Melho r Diretor foi Clint Eastwood aos74 por Menina de Ouro, seguido por Roman Polanski, que tinha 69 quando ganhou por O Pianista
• O mais velho a ganhar o Oscar de Best Ator foi Henry Fonda, por Num Lago Dourado. Ele tinha 76.

Mais Velhos Indicados Como Atores Coadjuvantes:
• Atriz Coadjuvante: Gloria Stuart – 87 anos (Titanic, 1997)
• Ator Coadjuvante: Hal Halbrook – 82 anos (Into the Wild, 2008)

Repararam como as fotos montaram um Clube da Luluzinha (só mulheres)? Esperem por mais novidades! Abraços,
Lê ^_^

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Preparação para o Oscar – O pioneiro

Alô, cinéfilos de plantão! Estamos a poucos dias de conhecer os felizardos ganhadores do prêmio mais cobiçado do cinema. Mas nem sempre foi assim. Quando a premiação surgiu, era apenas chamada de “prêmio de mérito”. Mais do que isso: as primeiras estatuetas foram entregues em cinco minutos e não houve nem emoção: os vencedores tinham sido anunciados três meses antes do evento. Houve até um prêmio que hoje soa meio bizarro: Melhor Entretitulagem (nos filmes mudos, narração e diálogos aparecaim nos entrertítulos), que só durou aquele ano e foi para Joseph Farnham.Veja mais algumas curiosidades:


Primeiro Oscar de Melhor Filme:
Na primeira cerimônia não houve prêmio de Melhor Filme: foram dois: Produção (Asas) e Produção Artística e Notável (Aurora). No entanto, numa convenção posterior, Asas se tornou oficialmente o primeiro ganhador do prêmio devido às revisões nas regras do Oscar. E Adivinhe qual filme ainda é assistido e glorificado até hoje?


Primeiro Melhor Ator (protagonista): 
Emil Jannings (um conhecido simpatizante do Nazismo e, depois, publicitário da causa) ficou com o primeiro Oscar de Melhor ator por The Last Command (dirigido Josef von Sternberg, o queridinho da Marlene Dietrich).O ator tinha de voltar à Europa antes da cerimônia, por isso sua premiação foi adiantada, o que faz dele e primeiríssimo a receber o Oscar.


Primeira Melhor Atriz:
Janet Gaynor pode se gabar de ser a primeira Melhor Atriz, mas ganhou por seu árduo trabalho em 3 filmes: Aurora, sétimo Céu e Anjo das Ruas. Na foto, ela está com Frank Borzage, ganhador como Melhor Diretor - Drama. Janet disse na cerimônia : "se eu posso fazer isso, qualquer uma pode". Obrigada, Janet, por alimentar minhas esperanças! :)


Primeira Celebração e Apresentador:
A primeiríssima cerimônia de entrega do Oscar aconteceu em 16 de maio de 1929 no Hotel Roosevelt e o anfitrião foi Douglas Fairbanks (OK, o hotel era dele). Foi uma pequena reunião de 270 pessoas.


Isso é tudo, pessoal! Esperem por mais fatos curiosos sobre o Oscar!
Lê ^_^

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Corrente de Prêmios

Olá! Alguns dias depois de receber uma honra jamais imaginada, estou aqui para compartilhá-la. Quem já passou antes por aqui pode já ter visto o selo aqui do lado. Fui agarciada com um selo de qualidade do Projeto Creativitè, dado para mim pela Daniela do blog Cinema Clássico.

Como tradição respondi a um questionário sobre cinema:
Um filme nacional: “Auto da Compadecida”.

Um diretor: Orson Welles.

Um ator estrangeiro: James Cagney.

Uma atriz estrangeira: Greta Garbo.

Um ator nacional: Tony Ramos e Lima Duarte.

Uma atriz nacional: Eva Wilma e Fernanda Montenegro.

Um(a) comediante: Charles Chaplin e Groucho Marx.

Um(a) dançarino: Fred Astaire e Gene Kelly. Cada um é mestre em seu estilo.

Um(a) cantor(a) de cinema: Judy Garland.

Uma dupla romântica: Katharine Hepburn e Spencer Tracy.

Um(a) coadjuvante: Walter Brennan em “Uma Aventura na Martinica”.

Um(a) ator/atriz infantil: Mickey Rooney.

Um ator belo: Marlon Brando.

Uma atriz bela: Greta Garbo e Audrey Hepburn.

Um compositor de cinema: Cole Porter.

Um fotógrafo de cinema: Gregg Toland.

Um livro sobre cinema: “501 filmes que merecem ser vistos”.

Uma revista impressa de cinema: A “Now Playing Guide” americana.

Um(a) vilão(ã): HAL 9000, em “2001, Odisseia no Espaço”.

Um mocinho: Robin Williams em “Patch Adams”.

Uma mocinha: Judy Holliday em “Nascida Ontem”.

Um gênero cinematográfico: Musical.

Um Seriado: “Seinfeld” e “The Big Bang Theory”.

Uma adaptação literária para o cinema: “A Volta ao Mundo em 80 Dias”, 1956. Adaptado do romance de Júlio Verne.

Uma frase de cinema: Gene Kelly em “Cantando na Chuva”: “Dignidade. Sempre dignidade” (Dignity. Always dignity).

Uma premiação: Emmy. São uma delícia fora da temporada de premiações e têm todos aqueles shows e atores que eu acompanho no dia-a-dia.

Chorou assistindo: “Como Era Verde Meu Vale”. Não cheguei às lágrimas incontroláveis, mas foi depressivo.

O mais recente filme que viu e gostou: “Um Dia nas Corridas”, com os irmãos Marx.

Também como tradição, estou indicando mais ganhadores. Sim, trata-se de uma corrente de prêmios!
Por hoje é só!
Lê^_^



domingo, 6 de fevereiro de 2011

Duas canções, uma melodia

Boa tarde, amigos cinéfilos! Talvez muitos de vocês tenham percebido a grande semelhança que há entre duas famosas músicas de filmes: “Be a Clown” e “Make ‘em Laugh”. Muitas vezes comecei a cantarolar uma delas e acabei emendando a outra.


“Be a Clown”é uma composição de Cole Porter para o filme “O Pirata”(The Pirate, 1948). É interpretada por Gene Kelly e Judy Garland.O filme foi produzido por Arthur Freed e Porter ficou muito agradecido por o produtor ter lhe dado mais uma chance no cinema após dois fracassos na Broadway.

“Make ‘em Laugh” é de autoria do produtor Arthur Freed e de Nacio Herb Brown e foi feita especialmente para o filme “Cantando na Chuva” (Singin’in the Rain, 1952), ao contrário das outras canções do filme, reaproveitadas dos arquivos da MGM da década de 1920. Ela é interpretada por Donald O’Connor, acompanhada de um vigoroso número de dança e comédia. Reza a lenda que não havia nada adequado para o número solo do ator, então um dos diretores, Stanley Donen, sugeriu que fosse criada uma música inspirada na de Cole Porter. Ele só não esperava que o resultado fosse tão similar ao original...




Sabemos que “Be a Clown” veio primeiro. Mesmo assim, Cole Porter nunca acusou ninguém de plágio, pois sabia que seu lugar no show business poderia ser ameaçado por uma reclamação.

Até a próxima,

Lê ^_^


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Filmes sobre a Guerra de Secessão

Qualquer acontecimento que esteja longe de nossa realidade pode ser bem difícil de entender. A Guerra de Secessão está distante de nós, brasileiros, no tempo (1861-1865) e no espaço. Como amante de História e de cinema, resolvi listar alguns filmes que tratam desse conflito tão valorizado nos EUA e tão pouco palpável para os brasileiros. Esses títulos, além de representarem bom cinema, também trazem um precioso aprendizado. Aproveitem!


O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation, 1915): Talvez o filme mais controverso da História, lançou D. W. Griffith e Lillian Gish ao estrelato mundial. A saga de duas famílias, os Camerons do Sul e os Stonemans do Norte, é contada antes, durante e depois da guerra. As maiores críticas surgem devido ao grande destaque e importância dados à Klu Klux Klan e o racismo muitas vezes escancarado.

A General (The General, 1927): Baseado em um livro, esta comédia conta o seqüestro de uma locomotiva(“A General”) no Sul dos EUA por soldados do Norte. O maquinista (Buster Keaton) decide, sozinho, derrotar os homens e, assim, recuperar o trem e sua amada, que estava dentro da locomotiva. O protagonista/diretor/produtor tomou um imenso cuidado com os detalhes históricos.

Jezebel (idem, 1938): Bette Davis no seu auge. Uma garota mimada do Sul que tem a vida mudada durante a Guerra. Soa familiar? Sim, mas talvez esta obra seja mais profunda que o super épico. Aqui, o Sul não é totalmente agrário e feliz e a personagem principal não é tão frívola.
E o Vento Levou... (Gone With the Wind, 1939): Dispensa apresentações. Na minha opinião, a história de Scarlett poderia acontecer com qualquer moça mimada em qualquer catástrofe bélica ou natural. Mas ainda ficam marcadas as cenas do campo de batalha de Atlanta, dos feridos no hospital, do incêndio, da promessa de reconstrução... É melhor parar a lista por aqui.

A Árvore da Vida (Raintree County, 1957): Uma jovem caprichosa e traumatizada do Sul (Elizabeth Taylor) mente para casar-se com um esforçado homem do Norte (Montgomery Clift) antes da Guerra. Sua loucura leva a uma fuga desesperada, ao envolvimento do marido na batalha e à perigosa busca pela lendária árvore da vida.

A Conquista do Oeste (How the West was Won, 1962): Épico grandioso em cinco partes, tem a sequência da Guerra dirigida por John Ford. Pai e filho aventureiros vão ao campo de batalha e vivem os horrores da Guerra, de onde um deles não voltará.

Consegui me lembrar desses. Mais alguma sugestão? Não deixem de comentar!
Lê ^_^
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...