Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Minha vida com Liberace / Behind the Candelabra (2013)

Espere um momento: o blog não é sobre cinema clássico? O que um telefilme de 2013 está fazendo aqui? “Behind the Candelabra” pode ser uma produção moderna, mas tem todo um toque retrô, e inclusive cita muitos filmes e celebridades do cinema clássico, ao tratar de um período importante na vida do primeiro e único pianista showman: o extravagante Liberace.
É 1977, e Liberace (Michael Douglas), já um consolidado criador de espetáculos para os olhos e ouvidos, está com 58 anos. Ele é apresentado ao jovem Scott Thorson (Matt Damon), garoto relativamente carente que sonha em ser veterinário. Começa então um relacionamento que vai mudar para sempre a vida de ambos. Scott, que tinha apenas 18 anos quando conheceu Liberace e que foi criado em orfanatos, é apresentado a um mundo de luxo, riqueza, joias e vaidade.     
Liberace começou a tocar piano aos quatro anos, mas começou a fazer sucesso só na década d 1940. Do filme “À Noite Sonhamos / A Song to Remember” (1945) ele tirou a ideia de colocar um candelabro em cima do piano, o que se tornou sua marca registrada. Subvertendo o jeito sisudo dos pianistas, deixando o instrumento mais dinâmico e animado, Liberace conquistou os palcos, os clubes e as telas da televisão. Suas roupas eram exageradas, seu carisma, inigualável, e seu talento, imbatível. Conversava com a plateia enquanto tocava e seus shows eram garantia de ingressos esgotados.
Michael Douglas está fantástico como Liberace. Ele realmente mereceu ganhar todos os prêmios da temporada. Exagerada, mas humana, sua interpretação chega a dar um recado para os muitos preconceituosos de Hollywood. Explicando: o filme deveria ser distribuído comercialmente nos cinemas em 2008, mas todos os produtores com quem o diretor Steven Soderbergh conversou se recusaram a financiar e distribuir o filme, dizendo que era “demasiado gay”. E chega a cena em que Liberace conta como sobreviveu a uma grave doença nos rins. A frase é impactante:

“I knew my life would not have been spared if being gay was the sin the Church said it was”.

Mesmo com 42 anos, Matt Damon está bem como o jovem Scott (a idade dele não é revelada no filme). Outro que se destaca é Rob Lowe, com a aparência mais bizarra possível para viver um cirurgião picareta, ao mesmo tempo cômico e trágico. Muita maquiagem foi necessária para caracterizar os dois atores. O filme foi distribuído nos cinemas europeus, o que rendeu a Matt uma indicação ao Bafta de Melhor Ator Coadjuvante. Por falar em coadjuvante, outra que tem boas cenas é Debbie Reynolds, irreconhecível como a mãe de Liberace. Debbie chegou a conhecer o cantor e sua família, inclusive participando de especiais dele para a TV. E as coincidências não param por aí: o único ator de Hollywood presente no funeral de Liberace era ninguém mais ninguém menos que Kirk Douglas.
O filme é tão bom que até o cachorro ganhou um prêmio, mesmo estando presente em uma só cena: Baby Boy, o poodle cego de Liberace, ganhou o Palm Dog Award no Festival de Cannes. O telefilme também foi o grande vencedor do Emmy, com prêmios em categorias técnicas e também de atuação. De fato, o cuidado com os detalhes é incrível, e os cenários são de deixar qualquer um boquiaberto. Se todo o luxo durante o filme não fosse suficiente, há também os lindos pianos em miniatura que aparecem nos créditos finais. Eu queria comprar todos eles!
Baseado no livro de Scott Thorson, “Behind the Candelabra” pode ser o último trabalho de Steven Soderbergh, responsável pela trilogia dos “11 homens e um segredo” (Ocean’s 11), “Erin Brockovich” e “Sexo, Mentiras e Videotape”, além de produtor de sucessos como “Precisamos falar sobre o Kevin”. Em uma entrevista enigmática, ele disse que vai se retirar por um tempo e voltará se tiver se reinventado como diretor. Esperamos que, assim como fazia Liberace, ele volte de maneira triunfal.


This is my contribution to the Steven Soderbergh Blogathon, hosted by Ratnakar at Seetimar – Diary of a Movie Lover.

10 comentários:

Mario Salazar disse...

Steven Soderbergh siempre dice que se va a retirar y vuelve a sacar un filme bajo la manga, ya no le creemos, y es mejor así, que siga aunque haga una de cal y otra de arena. A mi me gusta a veces solamente aunque es un director interesante a fin de cuentas. Esta película y el gran Michael Douglas me interesa, es raro porque cuando decimos telefilme siempre pensamos en mala calidad, o en melodrama, pero este es muy bueno, según mucha crítica. Un beso.

Pedrita disse...

eu tenho visto q está na programação dos hbos. ainda não me animei pra assistir, mas devo ver. beijos, pedrita

Rafael Prata disse...

Bela postagem.. Quero muito ver esse filme.. Tenho lido vários elogios a M.Douglas e Damon por esse filme.. ^^

•♥• Blog-PinagirlsCris •♥•Cris disse...

amei
beijos
http://pinagirlscris.blogspot.com.br

Hugo disse...

A caracterização dos atores parece ser um show a parte.

Até mais

Hugo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ruby disse...

Apesar de ver demais na grade da HBO eu não assisti, mas ainda vi umas cenas, não vi tudo, apesar de gostar de filmes biográficos.

Ruby disse...

Apesar de ver demais na grade da HBO eu não assisti, mas ainda vi umas cenas, não vi tudo, apesar de gostar de filmes biográficos.

Caixa da Mari disse...

Maravilhoso, Letícia!
Eu pouco ouvi falar de Liberace, ele parece ser uma pessoa/um personagem muito interessante. O filme não tinha chegado aos meus ouvidos até agora, mas agora que chegou acho que vale a pena eu baixar e conhecer um pouco mais dessa pessoa extravagante que foi esse pianista.

Beijos,

Mari
caixadamari.com

Iza disse...

Soderbergh é Soderbergh, né Lê? O Michael Douglas está irreconhecível - eu pelo menos, achei. Sabe, tava procurando um filme para assistir hoje. Ótima, dica, viu? Irei assistir.
Beijos <3

P.S: Dos indicados ao Academy Awards, só assisti 12 Anos de Escravidão e Clube de Compras Dallas. E você?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...