Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

domingo, 16 de março de 2014

William Powell: nosso detetive favorito

Com seu cabelo preto repartido no meio, seu bigode impecável, seus olhos claros cristalinos na película e seu charme inconfundível, William Powell dominou a década de 1930. Ele foi um dos grandes abençoados com a chegada do som, pois sua voz foi prontamente considerada “afrodisíaca” pelo público feminino. Seu personagem mais famoso do período é o detetive movido a álcool Nick Charles, mas foi outro detetive que solidificou a carreira de Powell.

Assim como muitos homens da lei que foram da literatura para o cinema (I’m looking at you, Sam Spade), Nick Charles fez o mesmo caminho. O livro “A ceia dos acusados / The Thin Man”, de Dashiell Hammett, foi publicado em 1934. Antes disso, entretanto, surgiram as histórias do detetive Philo Vance, de autoria de S. S. Van Dine. Foram ao todo doze livros, publicados de 1926 a 1939, todos com o título genérico “The ? Murder Case”, em que a interrogação era sempre substituída por uma palavra de seis letras. O sucesso dos livros foi tanto que logo eles foram adaptados para o cinema.   


Em “The Canary Murder Case”, Philo Vance aparece para investigar a morte da showgirl apelidada de Canary (Louise Brooks), embora seu nome verdadeira seja Margareth O’Doe. Ela havia anunciado seu noivado com o herdeiro de uma fortuna, Jimmy Spottswoode (James Hall) o que desagradou ao pai dele, Charles (Charles Lane) e aos vários amantes de Canary.

Este primeiro filme de Philo foi gravado como um filme mudo. Bill Powell fez sua estreia no cinema mudo, em 1922, e foi conseguindo papéis cada vez melhores, porém quase sempre como coadjuvante. Pouco antes do lançamento, os executivos da Paramount decidiram transformar a obra em um filme falado, e todo o elenco foi recrutado para dublar suas próprias falas. Louise Brooks não voltou para a dublagem, pois havia se mudado para a Europa, e a atriz Margaret Livingston foi contratada para o serviço. Embora seja difícil de notar que os diálogos foram dublados, pois a sincronização é muito bem feita, é verdade que a voz de Canary não combina muito com sua imagem de flapper interesseira (a pronúncia “dahling” em especial).


O segundo filme, também de 1929, é “The Greene Murder Case”. Aqui, Vance chega a uma casa que vê uma tragédia acontecer no ano novo: o patriarca é morto e uma de suas filhas, baleada. Ele havia acabado de ler seu testamento para os três filhos, a esposa inválida e o médico da família, disputado pelas duas irmãs, Ada (Jean Arthur) e Sibella (Florence Eldridge). Há também os excêntricos empregados, entre eles uma viúva alemã e uma mulher que anuncia o apocalipse. Este filme se destaca pelos incríveis travellings e tomadas aéreas.

Jean Arthur, cujo sobrenome verdadeiro era, por coincidência, Greene, esteve nestes dois primeiros filmes, tendo um papel de menor destaque em “The Canary...”. Além de William Powell, outra presença constante na série de Philo Vance é Eugene Pallette como o sargento Ernest Heath, um policial cheio de teorias ruins para os crimes, mas que sempre busca levar o crédito quando o mistério é solucionado. Isso não torna o personagem antipático, mas sim divertido. Aliás, a adaptação dos livros de S. S. Van Dine foi bem generosa ao tornar também Philo Vance mais simpático.

William Powell apareceu, em 1930, em um esquete de “Paramount on Parade” como Philo.

O terceiro filme não foi feito pela Paramount, mas sim pela MGM, que comprou os direitos de “The Bishop Murder Case” e transformou-o em filme em 1930, com Basil Rathbone como protagonista. Vale lembrar que Rathbone mais tarde faria 15 filmes como Sherlock Holmes. O terceiro da série com William Powell é “The Benson Murder Case”, que, infelizmente, só está disponível em um Box de DVDs.  Neste filme, o acaso faz com que Philo esteja na cena do crime quando um homem que trabalhava na bolsa de valores é assassinado.

A última vez que Powell encarnou Philo Vance foi em “The Kennel Murder Case”, de 1933. Aqui, Philo desiste de uma viagem à Europa com seu cachorro de estimação após saber que um colecionador de antiguidades, que ele vira na tarde anterior em uma competição de cães, cometera suicídio. Sem acreditar em suicídio, hipótese que o sargento Heath abraça de corpo e alma, Philo decide investigar o caso, que envolve inimigos dentro da família e a venda de vasos antigos. O filme conta com a excelente presença de Mary Astor e com a direção do ótimo Michael Curtiz (Malcolm St. Clair dirigiu o primeiro filme da série e Frank Tuttle, seu assistente, os outros dois). Este é considerado o melhor da série de Philo Vance, embora eu também tenha gostado muito de “The Greene Murder Case”.

“The Kennel Murder Case” marca também a tomada de território de William Powell na Warner Brothers, estúdio para o qual havia se mudado em 1931 e que continuaria a série de Philo Vance com Warren William e Eugene Pallette em uma última participação. Powell mudaria de estúdio mais uma vez, e encontraria um lugar ao sol na MGM, onde Nick Charles foi criado. Mas isso já é outra história...



This is my contribution to the Sleuthathon, hosted by the adorable Fritzi at Movies, Silently.

16 comentários:

Pedrita disse...

ih, tenho que confessar que não sei se vi. beijos, pedrita

Caftan Woman disse...

I'm quite familiar with "The Kennel Murder Case", but I haven't seen any of the other William Powell-Philo Vance features. You have intrigued me, and now I must check out "The Greene Murder Case".

Pleased to see good old Philo making an appearance in the Sleuthathon. Well done!

FlickChick disse...

Oh, wasn't he just the bees knees? He made a perfect Philo Vance. Actually, Mr. Powell made a perfect any man any time, didn't he? Great post, my friend!

Fritzi Kramer disse...

Thanks for the wonderful rundown of Philo Vance's successful film adaptation and giving the historical background of the films. William Powell is just wonderful, isn't he?

Joe Thompson disse...

Hi Lê. I love William Powell as Philo Vance. The first one I saw was Kennel and that inspired me to find some of the books that had been reprinted. I'm glad you chose to write about Philo Vance. Thank you for sharing with all of us.

Iza disse...

Adoro um bom mistério e um bom filme vintage! Filmes de detetives são ótimos para assistir num sábado à tarde - ainda mais com William Powell no elenco. Adorei seu post, Lê! Super beijo <3

Barry P. disse...

Nice job. I must confess I'm only familiar with Powell's work in the Thin Man series, but it just shows that there's so much more to discover.

Silver Screenings disse...

William Powell is my favourite 1930s movie detective, too!

"The Kennel Murder Case" is the only Philo Vance film I've seen – it's so much fun. Thanks to your post, I realize it's time to see the others!

Thanks for writing about Philo Vance. The Sleuthathon would not have been complete without him.

Jeff Flugel disse...

Nice post on Philo Vance! I love William Powell in just about anything, and he does a fine job in the only Vance film of his I've seen, THE KENNEL MURDER CASE. His take on Vance is similar in many ways to his later Nick Charles, although of course missing the vital ingredient of Myrna Loy to bounce off of.

girlsdofilm disse...

Great post Le! I love Mr Powell, what a dream boat he was! I've only really seen the Thin Man series, I'll certainly be making an effort to watch some more of his work!

The Metzinger Sisters disse...

I own the complete Philo Vance collection and have yet to see any of them! This post makes me want to delve into them this afternoon. Great write-up! I like how Charles Lane was playing fathers as far back as 1922. I think that man was born looking old!!

ramblingsofacinephile.com disse...

Muito bem Le! Interessante e instrutivo. Obrigada

DorianTB disse...

Le, my husband and I both love William Powell, and your post about Philo Vance in THE KENNEL MURDER CASE is a delight! I'm especially pleased that you chose it, because it includes one of my favorite actresses, Mary Astor! :-) Great review, Le, and I'm about to comment on your review of my post about THE BIG CLOCK for the Sleuthathon; I look forward to it! :-D

Carol Caniato disse...

Não o conhecia! Adorei a dica! Gosto muito de filmes de mistério!
Beijinhos!

Greg Wilcox disse...

Excellent post! I've only seen a few of these films, but now I'll be checking them out when I can (TCM here seems to show a few of these Powell films from time to time)...

Nice blog, by the way!

Irish Jayhawk disse...

Great write up, Le! William Powell was so perfect as Philo Vance. This was the best era for detective stories, if you ask me. But I'm biased.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...