Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Clímax & Desfecho: os melhores finais do cinema

O fim coroa a obra, já diz meu avô. Muitos realizadores de cinema acreditam nessa máxima e, com ela em mente, criaram finais arrebatadores para grandes filmes, deixando multidões boquiabertas e uma sensação deliciosa em quem sai da sessão de cinema.  


The Great Train Robbery (1903): O primeiro faroeste causou frisson nas plateias do início do século XX. Pudera: seu icônico final mostra um ator apontando para a câmera e atirando. O ingênuo público gritava e corria tentando fugir dos tiros.


A Caixa de Pandora (1929): Lulu (Louise Brooks) é uma moça muito independente para seu tempo. Depois de seduzir vários homens, matar o marido, ir a julgamento e trabalhar num navio, ela tem um encontro sinistro na noite de Natal de 1888 em Londres.

Inimigo Público / The Public Enemy (1931): O filme que alerta a população sobre os perigos de se tornar um gangster está entre meus favoritos. O destino de Tom Powers (James Cagney) é selado de maneira surpreendente e moralista.


O Fugitivo / I am a fugitive from a chain gang (1932): Paul Muni foi preso injustamente. Depois de duas fugas espetaculares de um campo de trabalhos forçados, ele sorrateiramente revela para sua namorada que o sistema prisional não regenera através de uma frase de efeito ninguém e some na penumbra.


King Kong (1933): “A Bela matou a Fera”. O fim do macaco gigante que escalou o Empire State por amor foi triste, mas poético.


E o vento levou / Gone with the wind (1939): “Amanhã é outro dia!”. Sim, adolescentes obrigados a assistir ao filme contra sua vontade durante as aulas, Scarlett O’Hara voltou à estaca zero e está disposta a recomeçar com uma frase de efeito dita contra o crepúsculo ao som da trilha de Max Steiner.


Casablanca (1942): Mais um final conhecidíssimo e pouco convencional. Não deu para Ilsa (Ingrid Bergman) e Rick (Humphrey Bogart), embora sempre tivessem Paris. Em compensação, Rick e o Capitão Renault (Claude Rains) vislumbram o que pode ser o começo de uma bela amizade.


Fúria Sanguinária / White Heat (1949): Cody Jarrett (James Cagney) sobe em tanques de combustível durane uma fuga, avisa a mãe que atingiu o topo do mundo e... não se dá bem.


Crepúsculo dos Deuses / Sunset Boulevard (1951): Norma Desmond (Gloria Swanson) está pronta para seu close, Mr. DeMille. Close a ser filmado no hospício, provavelmente.


Anastácia, a princesa esquecida / Anastacia (1956): Constatando com alegria que a atração da festa se foi, a Imperatriz (Helen Hayes) diz que avisará a todos que o espetáculo acabou e que voltem para suas casas. Dado o recado, de fato o espetáculo cinematográfico tem seu fim.  


O sétimo selo (1957): A Morte (Bengt Ekerot) decide levar algumas pessoas para um passeio, tendo, inclusive, viajantes que decidem embarcar por conta própria. Uma cena / dança sinistra e inesquecível.


O Candelabro Italiano / Rome Adventure (1962): O final que deu origem a este artigo. Que garota não gostaria de ser recebida em um porto, depois de uma longa viagem de navio, por Troy Donahue com um candelabro e um buquê de flores?


No próximo post virão as menções honrosas de grandes finais cinematográficos!

10 comentários:

Xavier disse...

Esqueceu de Cinema Paradiso Lê. Eu considero um Granndeeeee final =D

Abs!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ótimos finais. Seus posts são surpreendentes, Lê. Bravo.

O Falcão Maltês

ana costa disse...

Olá bom dia, venho agradecer e retribuir sua visita e comentário no meu cantinho.
Vou adicionar o seu blog para assim te vir visitar mais vezes
Beijo

Leonel disse...

Ótimo o seu blog!
Estou te seguindo!
Abraços!

David C. disse...

A mi en particular, me fascino el final de Casablanca.

Marly disse...

Olá, Lê,

Boa lista! eu também gosto muito dos filmes antigos, especialmente dos anos 40-50. Desses eu ainda não vi 'The Great Train Robbery',
Fúria Sanguinária e um outro do qual não guardei o nome, rsrs.
Um dos anos 50 que eu incluiria na lista é o 'As Diabólicas', rsrs. Dos anos 80 para cá há vários filmes - que considerei bons - com final surpreendente, como, por exemplo, 'O Clube da Luta' e 'Coração Satânico'.

Beijoca e bom fim de semana!

J.L.Tejo disse...

Ah. Faltou o do "Clube da Luta", ao som de "Where's my mind" dos Pixies :)

CINE31 disse...

Adoro o doloroso final de King Kong :)

Rodrigo Mendes disse...

Entendi que seu post pega os classicões, sobretudo obras primas dos anos 30 e 40, mas considero os filmes de duas obras do Spielberg, 'ET' e 'Contatos Imediatos...' expetaculares IDEM!

Beijos!

Suelen Alves disse...

nossa,nunca vi nenhum desses filmes, mas parecem ser bons *-*

passando para retribuir a visita \o

Suelen
http://worldplush.blogspot.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...