Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Dupla Dinâmica: Akira Kurosawa e Toshiro Mifune

Algumas colaborações entre ator / atriz e diretor são memoráveis. No cinema clássico japonês o mais conhecido ator talvez seja Toshiro Mifune, chinês de nascimento e fotógrafo na Segunda Guerra Mundial, que teve uma parceria rica e fascinante com o diretor Akira Kurosawa.
Kurosawa visitava o Toho Studio, o maior estúdio de cinema do Japão na época, quando viu um moço interpretando uma cena com grande vigor. Na verdade, Akira havia sido aconselhado a ir ver um jovem talento da companhia, e este era Toshiro. O ator não conseguiu o papel para o qual fazia o teste, mas conseguiu a profunda admiração de Kurosawa. Começava aí uma parceria que renderia 16 filmes, alguns dos melhores do cinema japonês. E não pensem que Kurosawa ajudou Toshiro apenas na carreira: foi ele também que ajudou a convencer a família de Sachiko Yoshimine a aceitar o casamento dela com o ator.
Ele e Kurosawa ajudaram a colocar o Japão no mapa cinematográfico mundial, da mesma maneira que Kenji Mizoguchi fez. Mifune, aliás, trabalhou com Mizoguchi em 1952. Voltando a Kurosawa, os dois fizeram juntos o filme “Rashomon”, que rendeu um prêmio honorário equivalente ao Melhor Filme de Língua Estrangeira, categoria que só seria criada quatro anos depois. Mesmo assim, o filme não chegou aos cinemas americanos. Coube a outra produção da dupla a honra de ser o primeiro filme japonês a ser exibido nos Estados Unidos: “Os Sete Samurais”, que ainda assim estreou com dois anos de atraso.  
Se hoje nós temos uma visão bem clara do que é e como age um samurai, devemos muito às interpretações de Toshiro Mifune. O guerreiro hábil, sábio e com atitudes nobres se contrapunha ao homem com poucas aptidões sociais, como acontece em “Yojimbo” (1960). Mais tarde o jeito durão desses personagens seria copiado por Clint Eastwood, que inclusive alcançou fama mundial em “Por um punhado de dólares / A Fistful of Dollars” (1964), remake western de “Yojimbo”.
Sua carreira não foi feita só de samurais. Em 1955 ele interpretou um homem com o dobro de sua idade num filme que tinha tudo a ver com a época: “I Live in Fear” conta a história de um homem que, apavorado pelos efeitos da radiação, decide se mudar para o Brasil (!!), onde o ar é fresco, mas sua família considera a ideia dele uma grande loucura. Também teve destaque em outros dramas e noirs, como “Stray Dog” (1949), em que interpreta um policial em busca de sua arma roubada, e “Drunken Angel” (1948), em que vive um mafioso.
Foi o filme “Red Beard” (1966) que estremeceu as relações entre ator e diretor. A produção demorou dois anos para ficar pronta e, durante esse tempo, Toshiro não pôde trabalhar porque o filme exigia que ele não fizesse a barba, e passou por uma pequena dificuldade financeira, solucionada ao receber os lucros da produção. A partir daí, Kurosawa alternou sucessos e fracassos, enquanto Mifune fez filmes no exterior e participou da minissérie “Shogun”, aumentando ainda mais sua fama.
A colaboração dos dois, além de produzir obras-primas, foi também essencial para um dos maiores sucessos do cinema. Em 1958 eles fizeram “The Hidden Fortress”, uma epopeia de busca que envolvia uma princesa, um protetor e alguns coadjuvantes, a mesma premissa de “Star Wars”. Nunca o cinema japonês foi tão pop. 

This post is part of the Summer Under the Stars blogathon, hosted by Sittin’ on a Backyard Fence and ScribeHard on Film.

13 comentários:

Marcelo C,M disse...

Eles foram figuras centrais do curso de cinema sobre o cinema japones que eu participei esses tempos.

Rubi disse...

Quando se fala sobre cinema japonês, é impossível não citar esses dois ícones. Sem dúvida alguma, uma das melhores e mais famosas duplas da história do cinema. Parabéns por este excelente post, e por nos trazer um pouquinho mais de informação sobre o cinema japonês.

Hugo disse...

Por enquanto assisti apenas os últimos filmes da carreira de Kurosawa.

Gostei de "Rapsódia em Agosto" e "Sonhos", mas ainda preciso conferir os clássicos com Toshiro Mifune e também "Ran".

Até mais.

Iza disse...

Não conhecia essa dupla não. Mas conhecia o filme Os Sete Samurais; ainda não assisti. Não conheço quase nada do cinema japonês, mas gostei muito do seu post. Ás vezes é bom sair do clima hollywoodiano, não? Valeu por compartilhar, me abriu a mente. Beijos<3

Bella disse...

Super interessante, confesso que não sei nada sobre o cinema japonês! :D


Beijão!

izabellaniquito.blogspot.com

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Penso que viver
é semear com palavras,
imagens e sonhos
palavras que acordem
o belo,
o justo
e o melhor do mundo
em outras vidas.

Que este seja o nosso
compromisso com a vida

Aluísio Cavalcante Jr.

Isabella disse...

Oi flor, Obrigada pela visita no meu blog, fiquei super feliz e gostei da postagem, eu não conhecia essa dupla, mais adorei em conhecer agora, estou seguindo.

Bjuus ;*
http://mundo-da-isabella.blogspot.com.br/

Joel Williams disse...

Very nice write up...thank you Google Chrome for translation!

Gilberto Carlos disse...

Rashomon foi o primeiro que assisti da dupla. Muito bom!

Gabriel França disse...

já li muito sobre essa dupla pela internet, mas inacreditavelmente ainda não vi nenhum filme deles, nem mesmo o famoso "Os sete samurais", este que, procuro para assistir mas nunca acho :(

Elisa T. Campos disse...

Você trouxe á tona um dos melhores filmes do cinema Japonês. Kurosawa um grande cineasta que conseguiu produzir os primeiros filmes em branco e preto com detalhes nunca vistos. Ran, Os sete Samurais. Todos imperdíveis. Depois veio "Sonhos" (um ícone).
Também foi uma grande produção sob a direção de Kurosawa "Dersu Uzala" filmado na Sibéria.
Toshiro Mifune, grande ator. Lembrei-me de sua atuação com Lee Marvin em "O inferno no pacífico".
Parabéns pela rica postagem

Bjs.

Larissa Canziani disse...

adoreio blog. Espero a sua visita :)
http://larissacanziani.blogspot.com.br

kittenbiscuits disse...

Great piece, Le! And I really love that picture of Mifune smoking. We rarely see a "modern" Mifune.

Thanks for another great contribution to the blogathon!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...