Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Variações sobre um mesmo tema: Nosferatu (1922 e 1979)

Eu não sou uma pessoa (muito) medrosa, mas há coisas no cinema clássico que me deixam de cabelo em pé, conforme escrevi nesse post. Uma delas é Nosferatu, o vampiro feioso de sombra aterrorizante. Como se não bastasse haver um vampirob estranho, há outro: o Nosferatu de Klaus Kinski, menos feio e horripilante que o de Max Schreck. Foi só depois de ver Kinski que resolvi encarar a versão original que, já aviso, é muito melhor.
Nosferatu nada mais é que o Conde Drácula na versão alemã. Como os herdeiros de Bram Stoker, criador de Drácula, não deixaram o diretor F. W. Murnau usar o nome do personagem, ele apenas mudou os nomes para fazer o filme. Claro que depois teve de enfrentar uma ação judicial, mas valeu a pena: esse clássico de 1922 é um dos melhores filmes mudos da história.

Assustadoramente romântico
Todos conhecemos a história: um agente imobiliário vai até o castelo de um aparentemente respeitável conde, e lá descobre que ele gosta de beber sangue. O agente não volta para contar a história (calma! Ele só está preso no castelo), mas o conde vai para a cidade atrás da esposa do agente, uma moça por quem ele se apaixonou após ver uma foto. O filme de 1922 é contado através de um diário de bordo, do mesmo jeito que Stoker escreveu seu livro.


O jogo de luz e sombras, muitas sombras, ajuda a criar o clima de filme de terror. As películas mudas lidam com nosso medo mais primitivo e quase todas as crianças têm medo de sombras e ruídos desconhecidos. Demorei algum tempo até criar coragem para ver o filme, mas não pensem que foi só comigo que isso aconteceu: na Suécia, o filme foi até banido por excesso de horror e só liberado em 1970! Apesar de Nosferatu ficar apenas nove minutos em cena, ele aproveita cada segundo para nos assustar.
Klaus Kinski não era bonito (mesmo assim ele ficava quatro horas fazendo a maquiagem de vampiro), mas a figura de Schreck beirava a bizarrice, pelo menos no filme. Um ator de teatro, Max estreou no cinema em 1920 e trabalhou em 45 filmes até sua morte, em 1936, aos 56 anos. O filme “Shadow f the Vampire” (2000), com Willem Dafoe, inclusive sugere que Schreck era um vampiro de verdade, que concordou trabalhar com Murnau em troca da protagonista feminina de Nosferatu, Greta Schröder. Greta tinha história em filmes de terror: ela é a moça que segura uma rosa em uma cena de “O Golem” (1920) e, quatro anos antes, havia adaptado “O fantasma da ópera” para o cinema alemão. Apesar de atuar nesse grande clássico, Greta não atingiu o estrelato e, claro, não se casou com Schreck.
Max sem maquiagem
Outras teorias, estas menos fantasiosas, sugerem que Nosferatu é uma grande alegoria anticomunista. Nosso querido Nosfie seria a figura de Lênin, que traria o perigo vermelho junto com várias pragas, simbolizadas pelos ratos que seguem o conde até a cidade, espalhando a peste negra. No filme de 1979, aliás, não são mostrados os ratos entrando no caixão em que o conde viaja, de modo que fica subentendido que ele trouxe a praga.
Klaus Kinski
O Nosferatu de Herzog conta também com muitas sombras, tomadas escuras e música de suspense. Isabelle Adjani, a donzela indefesa e única a acreditar que o conde é um vampiro, está excelente e muito pálida. Já sentimos um frio na espinha com as múmias ao começo do filme e cada ataque do vampiro é um novo momento prendendo a respiração. 
Klaus Kinski e Isabelle Adjani
Herzog fez uma bela homenagem ao original, e utilizando-se de uma equipe técnica de apenas 16 pessoas (a versão original contava com 24 pessoas mais o elenco, segundo o IMDb). Mas, a exemplo de 99% dos remakes, não superou a primeira versão. Graças a Murnau, temos um dos filmes mudos mais aterrorizantes já feitos e a ideia errônea de que os vampiros não suportam a luz do dia. Fique avisado: se você estiver face a face com um vampiro, siga os ensiamentos do Drácula de Bela Lugosi e finque-lhe uma estaca no peito!

Nosferatu (1922) está disponível no YouTube, Internet Archive e no VideoLog.
This is my contribution to the Terrorthon, hosted by Page at My Love of Old Hollywood and Rich at Wide Screen World. BOO! 

15 comentários:

Regi disse...

Eu sou uma grande medrosa, razão pelo qual muitos filmes bons ficam longe da minha lista. Mas confesso, que tenho grande curiosidade para conferir esse e o Drácula de Lugosi. Só falta criar coragem. Bjs.

Regi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo C,M disse...

Gosto muito da versão de 1922, mas tenho que tirar o chapéu pelo que Herzog fez em sua versão de 1979. Se vc pegar os comentários de áudio do DVD do filme, ouvira o cineasta dizer que Nosferatu de 1922 era o melhor filme alemão de todos os tempos e por isso mesmo teria que fazer um filme a altura.

Michas disse...

Lê,

Preciso muito assistir Nosferatu! Ainda bem que tem no Youtube! Já sabia da história dos direitos autorais não cedidos pela família do Bram Stoker...mas olha, no fim, nem fez diferença, né?

Obrigada pela dica!

Beijos,

Michas
http://michasborges.blogspot.com

Anônimo disse...

As I site possessor I believe the content matter here is rattling wonderful , appreciate it for your efforts.
You should keep it up forever! Good Luck.

my weblog ... Mulino58.ru

... disse...

Adorei esta postagem sobre Nosferatu. Um trabalho de pesquisa muito apurado e um texto legal. Parabéns! A propósito, eu adoro os clássicos do terror! Por mais absurdas que sejam as histórias, deixam aquele medinho, que mesmo sem razão, estimulam a imaginação e a criatividade.

Marcelle Monteiro disse...

Nunca assiste esse filme, fiquei com vontade porém também com medo. Eu sou um pouco medrosa.
http://doisquintos.blogspot.com.br/

Hugo disse...

O original é sensacional e a história de que se Schreck seria uma vampiro resultou no cuirioso "À Sombra do Vampiro".

Também gosto do filme de Herzog, que tem ótimas sequências como a procissão de caixões, além da fantástica interpretação de Kinski, a beleza de Isabelle Adjani e o ótimo Bruno Ganz.

Até mais

Samy Campos disse...

Flor, voltei com o blog. Te taguei aqui http://meudiariovintage.blogspot.com.br/2013/02/11-perguntas-pessoais.html

Iza disse...

Já me deparei com esse clássico, mas não assisti por preguiça, eu confesso. Mas agora me deu vontade de ver - essa semana me decepcionei com o filme de terror Smiley, muito ruim, não assista :P A versão de 1922 parece bem mais assustadora :)
Beijos e bom finde <3

Pedrita disse...

eu adoro todas as versões do drácula, até as mais fraquinhas. amo esse gênero de filme mesmo q tenha dificuldade pra dormir depois. e muito elucidativo esse berro no poster final. amei o post. beijos, pedrita

FlickChick disse...

Le - wonderful write up! The photos alone are enough to scare the pants off you, but the film itself defines creepy. Oh - and thanks for the photo of the real Max. He's not so scary!

Suzane Weck disse...

Ola,já fiquei com medo ao ler o excelente texto.Sou grandiosamente medrosa com respeito a Dráculas,Franksteins,Vampiros Monstros e Familiares do gênero.Quando, por algum descuido assisto á um filme desta categoria,fico dias sem conseguir dormir.Já tive tempos mais'valentes'.Meu muito grande abraço.SU

Rubi disse...

Assisti a primeira versão há muitos anos, e essa mais recente do Herzog há pouco tempo. Assim como você, também acho a versão de Murnau muito melhor. Criou-se uma atmosfera mais sombria e o ator que interpreta Nosferatu dispensa comentários. Foi um clássico do expressionismo alemão,e é o tipo de filme que recomendo sempre aos meus amigos (principalmente os medrosos HAHA).

Excelente post!
Beijos.

Kézia Lôbo disse...

Nunca assisti a nenhuma versão do filme.... gosto de clássico, mas terror do antigos, era terror mesmo... QUem sabe um dia eu assita.. quem sabe?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...