Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Resoluções cinematográficas 2016 – Resultados

2016 film resolutions - Results

Se as resoluções cinematográficas de 2015 só foram completadas nos primeiros dias de 2016, as de 2016 foram cumpridas a tempo – ainda que aos 45 do segundo tempo. Sim, deixei mais uma vez a maioria dos filmes para ver em dezembro, e precisei correr para terminar a lista no dia 31. Mas tive gratas surpresas, com filmes proféticos, ainda atuais e alguns que já entraram na minha lista de favoritos de todos os tempos. Vamos a um resumo de cada um deles:

The 2015 film resolutions were only completed in the first days of 2016, but the ones from 2016 were completed in time – in the last minute, to be fair. Yes, once again I left most films to be seen in December, and I had to hurry to end the list on the 31st. But I had good surprises, with prophetical films, some very modern ones, and the ones that already entered my list of all-time favorites. Let's discover a little bit about them:

The Doll (1919): Este adorável filme com Ossi Oswalda, dirigido por Ernst Lubitsch, conta a história de um homem rico e mimado que decide se casar com uma boneca para parar de ser importunado por pretendentes. O problema é que a boneca que ele escolhe é na verdade feita de carne e osso. Difícil de entender? Leia a crítica completa AQUI.

Die Puppe (1919): This lovely film with Ossi Oswalda, directed by Ernst Lubitsch, tells the story of a rich and spoiled young man who decides to marry a doll to stop being harassed by women. The issue is that the doll he chooses is actually made of flesh and bone. Sounds complicated? Read the review HERE.
A ópera dos pobres (1931): Drama, musical e um pouquinho de comédia se misturam para contar a história de Mackie Navalha (Rudolf Forster), um bandido comum que se casa com a filha do dono de uma rede de mendicância em Londres.

The Threepenny opera (1931): Drama, musical and a little bit of comedy are put together to tell the story of Mackie Messer (Rudolf Forster), a common criminal who marries the daughter of an owner of a begging business in London.
Três… Ainda é Bom (1932): Ann Dvorak está aqui quase – quase – tão boa quanto em “Scarface”. Acima de tudo, este pre-Code curtinho é uma lição para as mulheres que pensam em buscar a felicidade for a do casamento. Crítica completa AQUI.

Three on a Match (1932): Ann Dvorak is here almost – almost – as good as she was in “Scarface”. Above all, this short pre-Code is a cautionary tale about women who think about seeking happiness outside the sacred institution of marriage. Full review HERE.
Stella Dallas, Mãe Redentora (1937): Barbara Stanwyck prova que uma mãe é capaz de fazer tudo, tudo mesmo, para ver sua filha feliz – mesmo que a filha não agradeça à mãe pelos sacrifícios. Veja com lencinhos ao alcance.

Stella Dallas (1937): Barbara Stanwyck proves thst a mother can do anything, anything at all, to see her daughter happy – even if the daughter doesn't appreciate the sacrifices her mother makes. Watch it with tissues near you.
A Bela e a Fera (1946): Na versão de Jean Cocteau, Bela (Josette Day) tem até irmãs malvadas e um proto-Gaston, mas o destaque fica por conta do mágico e quase assustador castelo da Fera (Jean Marais). Um filme esteticamente perfeito. 

La Belle et La Bête (1946): In Jean Cocteau's version, Belle (Josete Day) has even evil sisters and a proto-Gaston after her, but pay attention to the magic and nearly scaring Beast's (Jean Marais) castle. It's an aesthetically perfect movie.
Neste Mundo e no Outro (1946): Às vezes o mensageiro da morte erra, e não leva quem deveria. Mas e quando o amor entra em cena antes que o erro seja consertado? Leia a crítica desta maravilhosa película, uma das melhores que vi em 2016, AQUI.

A Matter of Life and Death (1946): Sometimes the grim reaper makes a mistake, and the one about to be dead ends up living. But hat if love blossoms before the mistake is erased? Read the review of this wonderful film, one of the best I've seen in 2016, HERE.
Rififi (1955): O grande filme de crime francês foi dirigido por Jules Dassin, que também atua como Cesare, com um orçamento minúsculo. Você já deve imaginar que a moral do filme é que o crime não compensa, mas mesmo assim ficará boquiaberto com a tensa e longa sequência de roubo, durante a qual nenhum ruído é ouvido na tela.

Rififi (1955): The great French heist film was directed by Jules Dassin, who also plays Cesare, with a tiny budget. You must already imagine that the moral of the story is that crime does not pay, but you'll still be speechless with the tense and long heist sequence – totally silent 20 minutes.
Galante e Sanguinário(1957): Um western tenso, de luta contra o relógio à exemplo de “Matar ou Morrer” (1952). Glenn Ford, em um papel diferente do habitual, e Van Heflin são bandido e mocinho, um esperando para ser libertado por sua gangue, outro em busca de uma recompensa.

3:10 to Yuma (1957): A tense western, about a race against time just like in “High Noon” (1952). Glenn Ford, playing againsy type, and Van Heflin are outlaw and good guy, one waiting to be rescued by his gang, the other working to collect a reward.
A Fortaleza Escondida (1958): O filme que pode ter retirado “Rashomon” (1950) da condição de meu filme favorito de Kurosawa. Dois covardes se juntam a um general (Toshiro Mifune) para resgatar uma princesa e levá-la em segurança até as terras de um clã aliado. Parece familiar? Sim, este filme influenciou – e muito – George Lucas ao criar “Star Wars” (1977).

The Hidden Fortress (1958): The film that may have taken “Rashomon” (1950) away from the top of my favorite Kurosawa's film list. Two cowards and a general (Toshiro Mifune) go to rescue a princess and tke her safely until an alied clan's territory. Does it sound familiar? Yes, this film was a big – huge – influence to George when he created Star Wars (1977).
Sob o Domínio do Mal (1962): Lutas políticas, fraudes, lavagem cerebral, trauma. 55 anos depois, os temas de “Sob o Domínio do Mal” estão mais atuais do que nunca. Frank Sinatra estrela como o ex-combatente que descobre que seu antigo chefe foi hipnotizado e está sendo usado para eleger seu padrasto presidente. Isso soa familiar, não?

The Manchurian Candidate (1962): Poilitical disputes, brain washing, trauma. 55 years later, the themes in “The Manchurian Candidate” are more modern than ever. Frank Sinatra stars as the former soldier who finds out that his old boss was hipnotized and is being used to help elect his stepfather president. This sounds familar, doesn't it?
Jules e Jim: Uma mulher para Dois (1962): Jules (Oskar Werner) e Jim (Henri Serre) são melhores amigos de nacionalidades diferentes às vésperas da Primeira Guerra Mundial. Como se isso não bastasse, eles conhecem Catherine (Jeanne Moreau), uma mulher livre e contestadora que mexerá com a cabeça e o coração de ambos.

Jules et Jim (1962): Jules (Oskar Werner) and Jim (Henri Serre) are best friends from different countries and the First World War is about to begin. As if  it was not enough, they meet Catherine (Jeanne Moreau), a free and outspoken woman who will enter both their minds and hearts.
THX 1138 (1971): A ficção científica pode, às vezes, nos dar uma percepção do futuro ou mesmo do presente que deixam um gosto amargo na boca. O futuro monocromático e hiper-controlado mostrado em THX 1138 é horrível de ser visto, e a busca do personagem principal por liberdade é inspiradora, em especial no momento em que vivemos.

THX 1138 (1971): Science fiction can, sometimes, give us a bitter perception of the future or even the present. The one-color, über-controlled future shown in THX 1138 is difficult to be seen, and the main character's search for liberty is inspiring, especially considering the moment we live in.

Um comentário:

Marcelo Castro Moraes disse...

E pensar que eu ainda não assisti THX 1138

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...