Tradutor / Translator / Traductor / Übersetzer / Traduttore / Traducteur / 翻訳者 / переводчик

domingo, 20 de maio de 2012

Uma personalidade clássica

Baseado em um post da Brandie do blog True Classics

Desvendar a personalidade de uma pessoa é coisa que só Freud explica? E definir sua própria personalidade, é algo fácil? Que tal contar mais um pouco sobre você comparando-se com vários personagens de flmes clássicos? Vamos tentar?

Rita Hayworth, porque me inspiro nela para arrumar meu cabelo (P.S.: nem sempre dá certo).

Tess Harding (Katharine Hepburn em “A Mulher do dia / Woman of the Year”, de 1942), porque levo meu trabalho muito a sério, seja ele qual for, e defendo meus valores e ideais, chegando mesmo a ser muito teimosa (além disso, também me comportaria igual a ela na cozinha). Para saber mais das habilidades culinárias de Tess, assistam a esse vídeo a partir dos 35 segundos.

Ninotchcka (Greta Garbo em “Ninotchcka”, de 1939), porque aparento ser mais séria do que realmente sou.

Jo Stockton (Audrey Hepburn em “Cinderela em Paris / Funny Face”, de 1957), porque sou apaixonada por livros e adoraria trabalhar em uma livraria, ainda mais se um dia Fred Astaire aparecesse por lá.

Ann Newton (Edna May Wonacott em “Sombra de uma dúvida / Shadow of a doubt”, de 1943), porque sou apaixonada por livros desde pequena. Além diso, sou meio chatinha com questões intelectuais, em especial regras da gramática. E devo confessar que achei Ann meio irritante quando vi o filme.

Não é clássico, mas...

Sheldon Cooper (Jim Parsons na série “The Big Bang Theory”), porque sou nerd e tenho orgulho disso. Em alguns episódios me vi retratada, como naquele em que Sheldon tenta perder o medo de dirigir.  
P.S.: Mas eu nunca usaria este chapéu
Qual seria sua personalidade clássica, amigo leitor?

12 comentários:

Rafael Castellar das Neves disse...

hahaha...Sheldon Cooper é demais!!! O cara se supera!

[]s

Rafael
Desce Mais Uma!

M. disse...

Ah eu também concordo com o Rafael, o Sheldon Cooper é um pouco eu, mas sem exageros! kkk

As Tertulías disse...

Em resposta para voce lá das Tertúlias... agora vou ler o seu post!!!!



Ah, le, ouca sim... nao só "can't help loving that Man of mine" mas principalmente "Bill"... quando ela diz "oh... I don't know" é simplesmente perfeita... uma maravilha... Muito superior em interpretacao em comparacao à voz do filme... olhe o que encontrei pra voce!!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=KH0ZpEBoavY

Iza disse...

Ai não sei qual eu seria... ás vezes queria que o mundo girasse ao meu redor como a Scarlett O'Hara (eu não sou egoísta que nem ela). Mas realmente não sei qual seria.... Beijão <3

Vanessa Santos disse...

Muito bom!hahaha..
http://quaseumfilmepordia.blogspot.com.br/

As Tertulías disse...

Tenho que ver com que personalidade estou hoje para poder responder esta pergunta... :-)

Ana Maria disse...

Oi Lê, eu que sou sua companheira diária não poderia deixar de comentar que você acertou nas suas comparações. Mas, tenho certeza que o Sheldon Cooper foi inspirado em você.
Beijos, mamãe.

Gilberto Carlos disse...

Lê, adorei você se comparar com os artistas e dizer o que tem a ver ou em que se inspira neles. Muito original. Também não sei qual eu seria. Talvez O pequeno príncipe perdido em seu planeta longínquo com uma flor como companhia.

Rubi disse...

Mas que post criativo Lê!
Só a pergunta que é um pouco difícil HAHAHA eu realmente não sei. É engraçado como a gente nunca relaciona as coisas até que alguém nos fale a respeito. Pensarei sobre e voltarei aqui pra responder hahahaha

Beijos, até breve!

Mario Salazar disse...

Hay actuaciones que se quedan en nuestra memoria, que parecen tan reales, a mí me fascina la de Bill Cutting con Daniel Day Lewis, su nacionalismo, su vestimenta, su rudeza me parece muy digna de un tipo que atrapa la imaginación, creo que nadie con una vestimenta tan graciosa podría infundir respeto pero él lo hace, lastima que sea un DiCaprio endeble el que lo destruya en pantalla, hubiera dado para mucho más, se me hizo gigantesco en pantalla. He leído hasta una semblanza de Borges muy interesante sobre Cutting. Creo que ese personaje es el que se pega a Day Lewis aunque tiene muchos. Besos.

Rafa Amaral disse...

Não conheço você pessoalmente e não sei se costuma rir bastante. Enfim, toda vez que vejo o grande clássico do Lubitsch eu caio no riso justamente devido à ausência do riso de Garbo. Quando ela ri, então, eu dou risada ainda mais. Grande abraço. cinemavelho.com

Anônimo disse...

I quіte liκe rеаding a pοst thаt can make people think.
Also, thank you for allоwing for mе to comment!


Feel freе to surf to my wеb site: this website

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...